Amigo de jovem morto por "Som Alto" em Jacarezinho, desabafa

Jovem de 22 anos foi assassinado na noite de sábado (19) após discussão por som alto

Gladys Santoro - Tá No Site

Inconformado, triste e muito revoltado, Ronan Queiroz, 25 anos e amigo de infância de Mateus Alexandre Matos, o Chocô, 22, morto na madrugada do último sábado, 19, com um tiro disparado a queima roupa, no Parque dos Mirantes, em Jacarezinho/PR, clama por justiça: “Ouvir som supostamente alto não é motivo para matar. Ele morreu por nada, covardemente, já que atiraram pelas costas”, disse acrescentando. “Eles estavam em cinco em um carro ouvindo som – três rapazes e duas mulheres – e atiraram no negro. Isso é racismo”, afirmou salientando: “Punir os culpados não vai trazer meu amigo de volta, mas fará justiça. Os pais e o irmãozinho de seis anos estão arrasados. Nenhuma mãe merece ser acordada de madrugada para saber que seu filho foi assassinado”.

Segundo Queiroz, Mateus não era bandido e não tinha inimizades. Era um rapaz como outro qualquer da idade dele. “Eu não estava junto naquele dia, mas fui o primeiro a saber. Nós éramos amigos de infância, crescemos juntos e nos víamos diariamente. Nós estivemos em Assis/SP um dia antes do crime. Um dos rapazes que estavam junto me ligou na hora e disse: “Mataram o Mateus na minha frente. Atiraram nele. Ele morreu na hora”. Fiquei desesperado e fui lá. O local onde eles estavam estacionados fica a cerca de 100 metros da casa do atirador. O som do carro que ele estava é normal, não tem amplificador. Pode ser até que a conversa deles estivesse mais alta que o som do carro. De qualquer forma, não se mata por isso”, disse.

Ronan Queiroz ainda