Alunos e Servidores de universidades do Paraná questionam passaporte da vacina

Por Gazeta do Povo

Com o movimento de retorno às atividades presenciais nas universidades públicas do Paraná, oito das dez instituições do estado, tanto estaduais quanto federais, já confirmaram a exigência do comprovante de vacinação contra a Covid-19 para o retorno às atividades presenciais. Apenas a Universidade Estadual de Londrina (UEL) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), que retornam nos dias 24 de janeiro e 3 de março, respectivamente, ainda não determinaram a obrigatoriedade da medida.


Foto: SETI/PR

Diante das penalidades previstas à parcela da comunidade acadêmica que optar por não se vacinar – além dos estudantes, que reprovarão pela acumulação de faltas ou com empecilhos nas matrículas, servidores também poderão ser exonerados por ausências acumuladas –, alunos e funcionários da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Universidade Estadual de Maringá (UEM) relataram à reportagem seus posicionamentos quanto à exigência do passaporte vacinal e as medidas que querem tomar em sua defesa.


Para Tiago José Gabre, que é servidor da UFPR há doze anos, o receio de perder o emprego após a decisão do Conselho Universitário (Coun) de implementar o passaporte vacinal motivou a criação de um grupo no WhatsApp com colegas e estudantes da instituição que discordam da medida. Representantes do grupo, atualmente com 60 membros entre servidores e alunos, têm se articulado junto a parlamentares pa