top of page

96 mil paranaenses já doaram sangue em 2023; Saúde reforça importância da solidariedade

Nesta quarta-feira (14) é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue, criado para homenagear todas as pessoas que tiveram ou têm a atitude

Tá no site

Foto: José Fernando ogura


Nesta quarta-feira (14) é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue, criado para homenagear todas as pessoas que tiveram ou têm a atitude e iniciativa de fazer a doação. A data também tem o objetivo de conscientizar os não doadores sobre a importância deste ato, responsável por salvar tantas vidas.


“Quero deixar o nosso agradecimento aos doadores e aproveitar para dizer que precisamos renovar nossos estoques e por isso contamos com o apoio de todos, principalmente nesse Junho Vermelho, que é o mês dessa mobilização”, ressaltou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Solidariedade não tem hora e nem lugar. Sempre temos espaço para mais um doador”.


Nos últimos cinco anos, mais de 1 milhão de paranaenses compareceram no Centro de Hematologia do Paraná ( Hemepar ) como candidatos à doação, um gesto que pode salvar até quatro vidas. O Hemepar é a unidade da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) responsável pela coleta, armazenamento, processamento, transfusão e distribuição de sangue para 384 hospitais públicos, privados e filantrópicos que atuam em todas as regiões do Paraná.


De janeiro até agora, o Hemepar recebeu 96.213 candidatos à doação de sangue, fechando uma estimativa de 16.035 doadores por mês. Em Curitiba o número ficou em 23.054. Em 2022 foram 207.487 voluntários; em 2021, 211.793; e em 2020, 199.351. Antes da pandemia o número era maior, cerca de 221.134pessoas/ano.


São 22 centros para atender a demanda defornecimento de sangue e hemoderivados do Estado graças às doações dos voluntários. Em uma doação são coletados 470 ml de sangue, de acordo com o peso e altura do voluntário e mais quatro tubos para os exames necessários.A quantidade retirada não afeta a saúde do doador porque a recuperação é imediata logo após a doação.


Desde 2019, o Governo do Estado já investiu mais de R$ 176 milhões emequipamentos e insumos com tecnologia avançada e moderna voltada para área do ciclo do sangue (hemoterapia), tornando a hemorrede estadual paranaense referência para os demais hemocentros da rede nacional.

Os investimentos são destinados às 23 unidades. O Paraná tem o Hemocentro Coordenador, quatro Hemocentros Regionais, uma Agência Transfusional, nove Hemonúcleos e oito unidades de coleta e transfusão.


VOLUNTÁRIOS– Ana Cláudia Pereira, de 33 anos, doou sangue pela primeira vez há pouco tempo. Na unidade de Curitiba, passou pela triagem para avaliar sua condição de saúde, e durante cerca de 15 minutos ficou à disposição para a coleta. “A experiência foi muito tranquila e recomendo a todos que pratiquem esse ato de amor. É muito importante salvar vidas, sempre tem alguém precisando. Você vai se sentir bem”, disse.


Durante 18 anos, a técnica de enfermagem Eni Silveira atende os doadores na unidade do Hemepar, em Curitiba. Ela conta que não faz nem ideia de quantos litros de sangue já coletou e que muitas pessoas ficam nervosas, mas garante que é simples e rápido. “Todo mundo me pergunta quanto de sangue já coletei e não tem como saber. É tudo muito seguro e tranquilo e estou aqui para isso mesmo, para esclarecer algumas dúvidas e assim mais gente vem até aqui”, afirmou.


PARA DOAR– Para doar é necessário ter entre 16 e 69 anos completos. Menores de idade podem doar com autorização e presença do responsável legal. O doador deve pesar no mínimo 51 quilos, estar descansado, alimentado e hidratado (evitar alimentação gordurosa nas quatro horas que antecedem a doação) e apresentar documento oficial com foto (carteira de identidade, carteira do conselho profissional, carteira de trabalho, passaporte ou carteira nacional de habilitação).

0 comentário
bottom of page