Árbitros fazem protesto triplo antes de jogos contra veto de Dilma

Descontente com o veto da presidente Dilma Rousseff ao item da Medida Provisória (MP) do futebol que assegurava o direito de arena dos árbitros, a categoria fez um protesto antes das partidas da 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

As manifestações começaram já nos primeiros jogos dessa quarta-feira (12), que começaram às 19h30: Flamengo x Atlético-PR, no Maracanã, e Coritiba x Palmeiras, no Couto Pereira, em Curitiba.

Os árbitros e assistentes fizeram protesto triplo: entraram em campo com uma faixa preta no braço e outra no pulso, atrasaram as partidas em um minuto e levantaram a placa de substituição com os números zero e cinco – em alusão ao valor de 0,5% dos direitos de transmissão que seriam repassados aos juízes e foi vetado por Dilma na MP.

O mesmo roteiro se repetiu um pouco mais tarde nas demais partidas dessa quarta. Tanto nos jogos às 21h (Santos x Vasco, na Vila Belmiro, e Goiás x Chapecoense, no Serra Dourada) como às 22h: Corinthians x Sport, na arena, e Figueirense x São Paulo, no Orlando Scarpelli.

A exceção foi na partida entre Inter x Fluminense, também às 22h, no Beira-Rio, onde a arbitragem alterou os números da placa em função da goleada de 5 a 0 sofrida pelos colorados contra o arquirrival Grêmio na última rodada. Em vez de 0,5, foram mostrados os algoritmos 671, número da MP do futebol.

A Associação dos Árbitros calcula que deixará de receber de R$ 7 milhões a R$ 9 milhões com o veto.

“É a primeira manifestação desta envergadura na história da arbitragem brasileira”, destacou em nota oficial a Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf).

“É importante salientar que os atletas (justamente) já possuem o direito de arena de 5% garantido em lei. Aos árbitros seria destinado 0,5%, o que seria suficiente para garantir à categoria melhores condições de trabalho”, acrescenta o comunicado.

Comentários

COMPARTILHE