Justiça da França decreta prisão preventiva de atirador de trem

    Ayoub El Khazzani compareceu descalço e algemado perante autoridades. Ele é acusado de associação a grupo terrorista, entre outros crimes.

    A justiça francesa acatou a denúncia e decretou a prisão preventiva do marroquino Ayoub El Khazzani, o jovem que abriu fogo no trem de alta velocidade entre Amsterdã e Paris, por tentativa de assassinato e associação a grupo terrorista, revelou nesta terça-feira (25) uma fonte judicial.

    O jovem era denunciado por “posse, porte e transporte de armas, elementos de armas e munições (…), associação a grupo terrorista (…) e “participação em grupo terrorista visando a realização de um ou vários crimes”.

    Mais cedo, o procurador de Paris, François Molins, apresentou a denúncia contra Khazzani. Segundo ele, as primeiras investigações permitiram estabelecer que o projeto do jovem de 25 anos parecia premeditado e motivado.

    No momento do ataque, o marroquino carregavaum fuzil AKM com 270 munições, uma pistola Luger e uma “garrafa de 50 cl com gasolina”, disse o procurador em uma coletiva de imprensa.

    Além deste armamento, o homem, que havia sido acusado de pertencer a um movimento radical, viajou recentemente à Turquia, “caminho possível de passagem à Síria”, acrescentou Molins.

    Ele retornou à Europa no dia 4 de junho em um voo procedente de Antakya, cidade turca próxima à fronteira síria.

    Apesar de suas declarações fantasiosas para negar qualquer ação terrorista, seu projeto parece “premeditado e de objetivo preciso”, já que se negou a embarcar nos trens precedentes nos quais havia lugares disponíveis, e mostrou uma atitude decidida durante o ataque.

    Policiais circulam pela plataforma da estação Zuid-Midi, em Bruxelas, no sábado (22), um dia após ataque em um trem que ia de Amsterdã a Paris (Foto: AFP Photo/Belga/Nicolas Maeterlinck)Policiais circulam pela plataforma da estação Zuid-Midi, em Bruxelas, no sábado (22), um dia após ataque em um trem que ia de Amsterdã a Paris (Foto: AFP Photo/Belga/Nicolas Maeterlinck)

    O procurador abriu uma informação judicial pelas acusações de “tentativas de assassinato em relação a uma empresa individual ou coletiva terrorista (…), detenção, porte e transporte de armas (…), participação em uma associação de criminosos terroristas visando a preparação de um ou vários crimes” contra El Khazzani, que comparecia na tarde desta terça-feira ante os juízes que decidirão sobre seu indiciamento.

    As investigações envolverão agora “a procedência das armas” em sua posse, “seu percurso”, “as cumplicidades das quais gozou e suas fontes de financiamento”, disse o procurador.

    El Khazzani foi transferido na tarde desta terça-feira ao palácio de justiça de Paris, onde chegou descalço e algemado, segundo imagens transmitidas pela televisão, para ser apresentado aos juízes.

    Outros ataques
    O presidente François Hollande, que pronunciou nesta terça-feira um discurso ante os embaixadores da França reunidos em Paris, estimou que este atentado frustrado demonstra “que devemos nos preparar para outros ataques e, portanto, nos proteger”.

    “Seguimos expostos e a agressão que ocorreu na sexta-feira poderia ter levado a um massacre monstruoso sem a valentia de vários passageiros, entre eles militares americanos”, acrescentou.

    Transferido no sábado, um dia após o ataque frustrado, aos gabinetes da polícia antiterrorista perto de Paris, o marroquino negou desde o início qualquer motivação terrorista, afirmando que queria simplesmente roubar os passageiros do trem.

    Suas afirmações não convenceram os investigadores, firmes em suas suspeitas após a análise de seu telefone celular, que permitiu descobrir que El Khazzani consultou um vídeo jihadista na sexta-feira antes de embarcar no trem da companhia Thalys.

    As autoridades consideram que o ataque, ocorrido na tarde de sexta-feira entre Bélgica e França, teria provocado um verdadeiro massacre sem a intervenção de vários passageiros, que neutralizaram Ayoub El Khazzani quando saía do banheiro do vagão com armas na mão.

    Entre estes passageiros, três americanos, dois deles militares de férias, e um britânico, foram condecorados na segunda-feira pelo presidente Hollande.

    Presidente francês, François Hollande, dá a medalha da Legião de Honra aos homens que evitaram ataque em trem na sexta-feira (21) (Foto: Michel Euler/ AFP)Presidente francês, François Hollande, dá a medalha da Legião de Honra aos homens que evitaram ataque em trem na sexta-feira (21) (Foto: Michel Euler/ AFP)

    =Outros dois passageiros, um francês e um franco-americano, e dois agentes da companhia ferroviária francesa também serão condecorados em breve por sua atuação.

    Um dos militares americanos, Spencer Stone, foi ferido com o estilete ao tentar controlar o agressor, e um passageiro franco-americano, Mark Moogalian, foi ferido a tiros e segue hospitalizado.

    A polícia belga realizou na noite de segunda-feira duas buscas em Bruxelas para tentar determinar os locais de estadia de Ayoub El Khazzani, indicou a procuradoria em um comunicado. Segundo o jornal La Dernière Heure, as buscas foram realizadas na casa do suspeito e na de um amigo.

    No início de 2014, os serviços de inteligência da Espanha, onde viveu por vários anos, informaram aos seus colegas franceses sua intenção de atravessar a fronteira. Na Espanha também foi condenado duas vezes por tráfico de drogas.

    Sua estadia na França está demonstrada, já que trabalhou em uma empresa de telefonia de fevereiro a abril de 2014, da qual foi demitido porque não tinha documentos que o autorizassem a trabalhar na França.

    No dia 10 de maio de 2015, Ayoub El Khazzani foi visto em Berlim, de onde partiu à Turquia. Esta viagem levanta a questão de uma viagem às zonas da Síria sob o controle do grupo Estado Islâmico (EI). O procurador informou nesta terça-feira sobre seu retorno em junho passado a partir de uma cidade próxima à fronteira síria.

    Desde os sangrentos atentados jihadistas de janeiro em Paris (17 mortos), a França foi alvo de várias tentativas de ataques.

    Comentários

    VIADa France Presse
    FONTEG1
    COMPARTILHE