Corinthians e São Paulo buscam reforços na Portuguesa

    Aos trancos e barrancos, a Portuguesa conseguiu, na terceira rodada do segundo turno – faltam seis – entrar no G-4 de seu grupo.

    A vida de Antônio Ribeiro, o Dunga, não é fácil. Diretor de futebol da Portuguesa, vive no limite entre a falta de dinheiro e as dívidas. Como montar um time assim? Com muitas dificuldades, conseguiu. Alguns jogadores, como Bolívar e Felipe, saíram por falta de pagamento. Aos trancos e barrancos, a Portuguesa conseguiu, na terceira rodada do segundo turno – faltam seis – entrar no G-4 de seu grupo.

    E, justamente agora, mais dois problemas aparecem. O Corinthians tenta ficar com o artilheiro Guilherme Queiróz – nove gols em 11 jogos – e o São Paulo, com o lateral direito Gustavo Cascardo.

    “Quanto ao Queiróz, não houve uma consulta à Portuguesa, mas já ouvi alguma coisa, sim. Nós estamos bem guarnecidos e tenho certeza que ele vai ficar até o final da Série C”, diz Dunga.

    Ele disse que rejeitará inclusive um tipo de transação que tem sido comum. “A gente se descuida do pagamento, os atletas entram na Justiça e vão para outro clube. A Portuguesa fica com uma compensação financeira. Não quero isso. Está tudo certo com o Queiróz e precisamos dele para o acesso”.

    Gustavo Cascardo fez poucos jogos pela Lusa. O último, foi contra o Madureira, segunda-feira; Entrou no segundo tempo e foi fundamental para que o empate de 1 a 1 se transformasse em vitória de 4 a 2, com dois passes perfeitos, aproveitados por Queiróz e Hugo. Deu entrevistas, reafirmando amor ao clube – chegou à Lusa com 11 anos – e, na quinta-feira, não treinou. Na sexta, seu advogado João Henrique Chiminazzo entrou na Justiça, pedindo liberação do jogador, alegando salários atrasados.

    “Na verdade, a gente havia entrado com as guias de recolhimento do FGTS e outras coisas antes do pedido dele. Isso é o que vale. E tudo está pago. Esse advogado tentou liberar o Pato do Corinthians e não conseguiu. Nosso jogador também não vai sair”, diz Dunga.

    Como Chiminazzo é advogado de Pato, criou-se na Lusa, a certeza que o São Paulo será o próximo clube do jogador de 18 anos. Foi assim com o goleiro Carlinhos, no semestre passado. Em 2015, por falta de pagamento, a Portuguesa perdeu o volante Renan para o Atlético-PR, o atacante Luan para o Inter e o meia Gabriel Xavier, para o Cruzeiro.

    O salário de Cascardo é de R$ 800. E mesmo assim, atrasa, Dunga? “A Portuguesa tem dificuldade em pagar qualquer salário. Toda quantia, pequena ou grande é uma dificuldade”.

    Comentários

    FONTE esporte.uol
    COMPARTILHE