Marques dos Reis é opção para construção de presídio regional

Presidente da Câmara de Vereadores descarta mudança da lei para viabilizar parque industrial

Distrito de Marques dos Reis surge como opção para construção de CDR no Norte Pioneiro CRÉDITO: Folha de Londrina

Depois de um dia agitado com a notícia de que o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) planejava construir um presídio regional no Parque Industrial de Jacarezinho, nas proximidades do trevo de acesso ao perímetro urbano, veio a informação de que o órgão pode escolher outra área, localizada no Distrito de Marques dos Reis, que agradou a comissão composta por membros do judiciário, do governo estadual e outros órgãos envolvidos no projeto.

Mesmo que o Depen optasse pela área do Parque Industrial a aprovação do projeto para aquele local dependeria da Câmara de Vereadores, já que o Plano Diretor, que disciplina a ocupação de solos no município, proíbe esse tipo de construção no perímetro urbano. Para que isso ocorresse, necessitaria de mudança da lei e o presidente da Casa, Fúlvio Boberg (MDB), deixou claro que uma matéria nesse sentido não passaria no Legislativo.

Após visitar o Parque Industrial, a comitiva vistoriou uma área localizada no quilômetro 2 da BR-369, no Distrito de Marque dos Reis, pertencente à Mitra Diocesana de Jacarezinho, que já manifestou disposição de doar de um a dois alqueires, segundo informações do secretário do Comércio e Indústria do Município, Homero Pavan Filho, que já havia se manifestado contra a doação do parque industrial.

Reação

A notícia de que o Depen havia se interessado pelo Parque Industrial para a construção de um presídio com capacidade para 100 a 1200 presos, dada com exclusividade pela Tribuna do Vale e o Tá no Site, causou intensa repercussão nas redes sociais, dominando as discussões durante todo o dia de ontem.

A posição manifestada pelo presidente da Câmara acalmou um pouco os ânimos, mas mesmo assim, o simples fato de Jacarezinho sediar um empreendimento desta natureza provocou reações de todo tipo. Mas por desconhecimento, muitos são contra achando que sediar uma penitenciaria aumentaria os níveis de violência, quando, na verdade, ocorreria justamente o contrário. “Perigoso são essas cadeias superlotadas, verdadeiros barris de pólvora prestes a explodir”, opina Homero Pavan, que é favorável ao projeto, desde que em local adequado.

O projeto

A construção de um presídio em Jacarezinho faz parte de um programa nacional de instalação de Centros de Detenção e Ressocialização (CDRs) desenvolvido há mais de uma década pelo Ministério da Justiça. A exemplo de outros já construídos no Paraná, o CDR deverá ter capacidade para 1000 a 1200 presos, com investimentos de R$ 25 milhões e deve gerar de 300 a 400 empregos diretos.

A primeira área apontada como viável para a construção da unidade prisional foi o terreno do antigo IBC, mas a ideia acabou cedo descartada. O atual prefeito, Sérgio Faria (DEM), mostra-se favorável à construção, principalmente porque o presídio injetará R$ 25 milhões na economia local.