Região está entre as que mais sofrem com furtos de cabos de telefonia

Volume de fiação furtada é grande; somente em Jacarezinho ocorrem cerca de dois furtos por dia

Foto: Divulgação

Na tarde de quinta-feira, 6, Riechard Guedes, representante das operadoras de telefonia visitou o Jornal Tribuna do Vale para divulgar os números de telefones – 08002825531 e 08002808888 – para que os moradores denunciem suspeitos e até mesmo os furtos, para que a policia e as operadoras possam tomar as providências cabíveis. “Na região, o maior número de casos ocorre em Jacarezinho. Somente em setembro tivemos uma média de dois furtos por dia.  Além disso, os locais mais atingidos são a estrada do Laranjal, em Jacarezinho, o trecho da BR-153, entre Santo Antônio da Platina e Conselheiro Mairinck e na PR 431”, contou.

Guedes explica que é fundamental a denuncia para que a polícia possa encontrar os ladrões e para que a comunidade fique o menor tempo possível sem sinal de telefone. “Não estamos falando de prejuízos para as operadoras e sim à população, que vai ficar sem sinal até que os cabos sejam colocados. Nesse meio tempo, moradores podem correr sérios riscos se precisarem de celular para uma chamada de emergência, por exemplo, ou mesma para concretizar um negócio. As empresas ficam sem poder usar as máquinas de cartão de crédito, enfim, são inúmeros os problemas causados pela falta de sinal”, comentou.

A reposição demora, em média, 48 horas.

Guedes explicou ainda, que a maior parte dos furtos é praticada por usuários de drogas, e que existe uma investigação federal, que indica que esses fios de cobre estão sendo exportados para a China. “Ou seja, estamos perdendo matéria prima que pode acabar em um futuro não tão distante, e mandando para a China, que depois envia de volta em forma de produtos, que temos que pagar”, comentou.

O representante das Operadoras contou que em Conselheiro Mairinck já aconteceu um furto de 3 mil metros de fio “Quem furtou essa quantidade precisou levar os cabos em um caminhão, ou seja, pode ter empresas envolvidas nessa atividade”, alertou.

Em Cambará, uma senhora desconfiou de uma movimentação perto da fiação e ligou para a polícia, que chegou a tempo de prender o ladrão.

As pessoas envolvidas na ação, se forem flagradas, podem responder por furto, receptação e perturbação do sinal telefônico, uma lei federal, que é a mais severa em termos de punição.

Segundo Guedes, esse problema não acontece apenas no Brasil. “Londres, na Inglaterra,  teve 32 bilhões de libras de prejuízo com o furto da fiação telefônica”, contou salientando: “Estamos procurando os meios de comunicação para fazer um alerta mais amplo, mas também estamos indo nas casas das pessoas entregando panfletos explicativos e pedindo a colaboração delas. A meta é denunciar”, concluiu.