Escolas recebem R$ 821 mil para ampliar jornada

Programa Novo Mais Educação oferece aulas de língua portuguesa e matemática, além de atividades de artes, cultura, esporte e lazer.

Foto: Divulgação SEED

Duzentas e três escolas da rede pública estadual receberam esta semana repasse de R$ 821 mil do Programa Novo Mais Educação, uma iniciativa do Ministério da Educação. Os recursos são aplicados na ampliação da jornada escolar do ensino fundamental, principalmente nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. São beneficiados mais de 12 mil alunos em todas as regiões do Paraná.

Na Escola Estadual Boa Vista da Santa Cruz, no município de Rosário do Ivaí (região Norte Central), são 28 estudantes participando de atividades do Novo Mais Educação. Além do Acompanhamento Pedagógico obrigatório nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, eles participam de Atividades Complementares de Artesanato, Iniciação Musical e Futsal. “As atividades no contraturno escolar têm uma aceitabilidade muito boa com os pais dos alunos, eles incentivam a participação”, diz o diretor da escola, Fabio Pereira da Silva.

Os benefícios da jornada ampliada vão além das notas, segundo Fábio. “O Acompanhamento Pedagógico melhora os resultados dos alunos em Língua Portuguesa e Matemática, mas o Programa em si melhora o convívio social e mantém os alunos dentro da escola, longe das ruas”, explica.

O Colégio Estadual Monteiro Lobato, de Dois Vizinhos (região Sudoeste), trabalha com Educação em Tempo Integral e também com o Programa Novo Mais Educação. “A jornada ampliada traz muitos benefícios aos estudantes. Amplia a conscientização deles quanto a vários temas atuais, ficam mais participativos e interessados”, afirma a diretora Helena Maria Guareschi.

AMPLIAÇÃO – O Programa Novo Mais Educação, instituído pela Portaria MEC nº 1.144, de 10 de outubro de 2016, visa a ampliação da jornada escolar de crianças e adolescentes, mediante a complementação da carga horária de 5 ou 15 horas semanais no turno e contraturno escolar. Ele é implementado por meio da realização de Acompanhamento Pedagógico em Língua Portuguesa e Matemática e do desenvolvimento de Atividades no campo das Artes, Cultura, Esporte e Lazer.

“Com esse formato o Programa fica mais focado no domínio pleno do cálculo, escrita e leitura. Antes o Programa era composto por mais de 100 atividades, agora são 27, o que permitirá um melhor processo de planejamento, execução e avaliação”, explicou o chefe do Departamento da Educação Básica da Secretaria, Cassiano Ogliari.

A primeira etapa foi realizada pela Secretaria de Estado da Educação em novembro, indicando as escolas para aderirem ao Programa e a definição da carga horária de 15 horas semanais. Na segunda etapa, as escolas selecionadas elaboraram o Plano de Atendimento, informando as Atividades Complementares que seriam desenvolvidas, o número de alunos participantes e o articulador da escola – coordenador pedagógico.

As opções das atividades no campo da Cultura e Arte são: Artesanato, Iniciação Musical/Banda/Canto Coral, Cineclube, Dança, Desenho, Educação Patrimonial, Escultura/Cerâmica, Leitura, Pintura e Teatro/Práticas Circenses.

E em Esporte e Lazer as atividades incluem: Atletismo; Badminton; Basquete; Futebol; Futsal; Handebol; Natação; Tênis de Campo; Tênis de Mesa; Voleibol; Vôlei de Praia; Capoeira; Xadrez Tradicional e Xadrez Virtual; Judô, Karatê; Luta Olímpica; Taekwondo; e Ginástica Rítmica.

A Portaria 1.144 prevê voluntários para o desenvolvimento de todas as atividades do Programa. Porém, na rede estadual de ensino do Paraná as atividades de Acompanhamento Pedagógico do Programa Novo Mais Educação são desenvolvidas por professores da rede.

No restante do País, as escolas desenvolvem as atividades com voluntários da comunidade que recebem uma bolsa-auxílio. “Há um custo adicional na folha de pagamento, mas com essa medida garantimos que o programa não seja interrompido e também garantimos a qualidade das atividades porque esse profissional tem a formação acadêmica e pedagógica e em muitos casos já trabalha na mesma escola”, afirmou Cassiano.