Cerca de oito mil pessoas devem Visitar os cemitérios no Finados

As pessoas têm até o dia 28 deste mês das 7 às 17 horas para fazer reparos, pinturas e limpeza pesada nos jazigos.

Túmulo de 1938 de dona Aparecidinha e um dos mais visitados porque segundo a lenda, ela realiza milagres (Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

Os Cemitérios São João Batista e Parque das Oliveiras de Santo Antônio da Platina devem receber cerca de oito mil visitantes durante o feriado de Finados (dia dos mortos). No ano passado, o administrador Romilson Rebelo estimou que cerca de 10 mil pessoas passariam pelos locais, mas a cada ano o fluxo de visitantes nesta época tem diminuído.

Rebelo associa essa queda com a perda da tradição das pessoas mais antigas. “Os mais jovens quase não têm esse habito de fazer visita em cemitérios. Antigamente os corredores ficavam abarrotados, mas hoje em dia está diminuindo ano a ano”, comentou o administrador.

Os cemitérios já têm a programação definida para limpeza e obras nos túmulos. As pessoas têm até o dia 28 deste mês das 7 às 17 horas para fazer reparos, pinturas e limpeza pesada nos jazigos.  Após esse prazo, os serviços não serão mais autorizados. O movimento por enquanto está fraco, os familiares começam a fazer a limpeza na próxima semana.

Serão permitidas somente a entrada de flores naturais e sem embalagem plástica. A finalidade é evitar o acúmulo de água nos recipientes, que favorecem o surgimento de focos do mosquito Aedes Aegypti. “É importante essa conscientização da população porque agora no calor a incidência do mosquito é ainda maior. Os agentes têm passado com frequência, e felizmente está tudo sob controle”.

Os comerciantes interessados em montar barracas na avenida Oliveira Motta, nas imediações dos dois cemitérios, terão que procurar  setor administrativo dos locais para fazer o cadastro e pagar a taxa de inscrição. Neste ano, será cobrada uma taxa de R$ 74 (equivalente a 1 Unidade Referência Municipal). “Já temos 51 barracas cadastradas. São diversos produtos, flores, velas, artigos religiosos, comida e bebida, brinquedos, uma verdadeira feira-livre”, ressaltou.

Funcionários terminam os reparos nos cemitérios para receber os visitantes (Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

Regularização dos terrenos

O administrador alerta sobre a regularização dos terrenos. Quem não estiver com a escritura regular, não será permitida a abertura de novos jazigos. “Quem não tem escritura deve comparecer no setor administrativo para regularizar a situação, falta bastante gente. O valor cobrado é equivalente à 17 URM. Para a segunda via do documento é um valor simbólico. Não aceitamos xerox”, explicou Rebelo.