Secretaria inicia ações para o Dia Nacional de Combate do Fumo

A programação será transmitida para as 22 Regionais de Saúde por meio de videoconferência.

Foto: Divulgação

A Secretaria de Estado da Saúde promove na segunda-feira (28) uma videoconferência para comemorar o Dia Nacional de Combate ao Fumo (29 de agosto). O evento começa às 9 horas no auditório da instituição, em Curitiba. A programação será transmitida para as 22 Regionais de Saúde por meio de videoconferência.

Mas neste sábado (26), outro evento já alertava para os malefícios do cigarro e do álcool entre os jovens. A Sociedade Paranaense de Pediatria (SPP), com apoio da Secretaria de Estado da Saúde, realizou o evento de prevenção ao uso de álcool e tabaco dirigido a crianças e adolescentes. Com o tema ‘Mexa-se! Saúde na Cabeça. Álcool e Tabaco, Esqueça’, a iniciativa tem como objetivo estimular o debate acerca dos temas. O evento, que acontece na sede da SPP, em Curitiba. Adolescentes que começam antes dos 15 anos apresentam quatro vezes mais predisposição para se tornarem adultos dependentes do álcool. Ao mesmo tempo, 90% dos fumantes iniciam o seu uso antes dos 19 anos e 50% dos adolescentes que experimentaram um cigarro se tornam adultos fumantes.

“Incentivar hábitos saudáveis e promover a saúde é um grande investimento. O estado do Paraná tem já há alguns anos se engajado na luta contra o álcool e o tabaco. Quanto mais cedo começarmos a conscientizar a população, melhores são os frutos para a saúde do paranaense”, destacou o secretário de estado da Saúde, Michele Caputo Neto.

Segundo dados do Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes, de 2016, 20% dos adolescentes do país já experimentaram álcool pelo menos uma vez e, destes, aproximadamente 25% têm menos de 12 anos de idade.

Com o tabaco, a realidade não é diferente. Estudos da Universidade Estadual de Maringá mostram que 12% dos adolescentes do país já experimentaram tabaco (destes, a grande maioria são mulheres).

A pediatra da Divisão de Saúde da Criança, Iolanda Maria Novadzki, ressalta também que quanto mais cedo a criança ou o adolescente tiver contato com o álcool e tabaco, maiores serão as chances de se tornarem adultos dependentes.

“Precisamos conscientizar a população dos malefícios que estas drogas lícitas podem causar e tomarmos cuidado, pois elas também podem ser o caminho para drogas ilícitas. Tanto o álcool quanto o tabaco contribuem muito para o aumento da mortalidade dos jovens no país”, enfatizou Iolanda.

“Esta é uma luta que profissionais e população precisam estar juntos. Apenas assim vamos conseguir diminuir os males que estas drogas causam”, reiterou a pediatra.