Indústria paranaense cresceu 2,5% no primeiro semestre

Foi o terceiro maior crescimento da indústria de transformação do País, segundo o IBGE.

A indústria do Paraná fechou o primeiro semestre com alta de 2,5% na produção, em comparação com o mesmo período do ano passado. Fábrica da Renault em São José dos Pinhais. Foto: Rodolfo Buhrer

A indústria do Paraná fechou o primeiro semestre com alta de 2,5% na produção, em comparação com o mesmo período do ano passado. Foi o terceiro maior crescimento da indústria de transformação do País, atrás de Santa Catarina (3,3%) e Amazonas (2,7%).

Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física – Regional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Especificamente em junho deste ano, em relação a junho do ano passado, a indústria do Paraná cresceu 0,5%. Na passagem de maio para junho, o avanço, com ajuste sazonal, também foi de 0,5%.

CONTRASTA – O resultado do Paraná contrasta com o registrado do semestre no Brasil, com queda de 0,2% na indústria de transformação e de 0,5% na indústria total (incluindo a atividade extrativista).

O crescimento no semestre marca a retomada da indústria do Estado, depois de um ano com queda na produção por conta da crise econômica. Em 2016, a indústria estadual fechou com queda de 4,3% na produção. “Os dados do semestre já apontam para uma reação consolidada da produção industrial no Paraná”, diz Francisco José Gouveia de Castro, diretor de Estatística do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes).

MÁQUINAS E AUTOMÓVEIS – Em 2017, a indústria paranaense vem sendo impulsionada principalmente pela produção de máquinas e automóveis. No acumulado do ano, a produção de máquinas e equipamentos registrou alta de 54% em relação ao mesmo período do ano passado e de veículos automotores, reboques e carrocerias apurou crescimento de 19,7%.

Na comparação de junho com o mesmo mês do ano passado, as maiores altas foram de máquinas e equipamentos (31%), veículos automotores, reboques e carrocerias (12,3%) e fabricação de bebidas (10,9%).

“O setor de máquinas, principalmente tratores e colheitadeiras, foi impulsionado pela boa safra de grãos e pelas exportações. Já a produção de automóveis se beneficiou do aumento das vendas externas, principalmente para a Argentina”, explica Castro. No acumulado de janeiro a julho, as exportações de automóveis mais que dobraram, com alta de 105% – chegando a US$ 604, 7 milhões. As vendas externas de tratores aumentaram 40% – para US$ 163,8 milhões.

PIB – Para Castro, a retomada da indústria deve contribuir para a recuperação da economia do Estado. No primeiro trimestre, o PIB da indústria cresceu 3,1%, o que favoreceu o crescimento de 2,5% da economia paranaense no período. Na mesma base de comparação, o PIB brasileiro registrou recuo de 0,4%.