Estação Ferroviária é restaurada

São mais de 400 imagens que contam a história de Joaquim Távora desde a década de 30.

Foto: Antônio de Picolli / Tribuna do Vale

Joaquim Távora comemora no dia 7 de setembro 91 anos de história da Estação Ferroviária. A estrutura ganhou vida nova após sua restauração. A recuperação da arquitetura do prédio, toda em madeira e tombada como patrimônio histórico do município buscou preservar todos os detalhes do prédio original, que foi consumido por um incêndio em fevereiro de 2013. Além do resgate da memória ferroviária, a cidade também trás a memória fotográfica, na inauguração do memorial fotográfico do município, que aconteceu ontem, 18. São mais de 400 imagens que contam a história de Joaquim Távora desde a década de 30.

A solenidade, contou com a presença do prefeito Gelson Mansur, alunos das escolas da rede pública e autoridades locais. O curador do projeto “Restaurando lembranças de tempos que não voltam mais”, Flávio Cuervo, aponta que a restauração foi fundamental para preservar a memória da cidade juntamente com a mostra fotográfica que conta um pouco da história da cidade. O incêndio em 2013 destruiu completamente a estação, que, começou a ser reconstruída em 2016 pela América Latina Logística (ALL), concessionária que explora a malha ferroviária no Estado.

A base do novo prédio, toda em pedra e alvenaria foi preservada, pois resistiram às chamas. Na lateral, a prefeitura construiu uma rampa de acesso para idosos e deficientes, atendendo a Lei da Acessibilidade. Além disso, no entorno da estação, providenciou a colocação de alambrado para evitar casos de vandalismo, e está em fase de construção uma pista de caminhada, pista de skate, cacha e parquinho. “Como a estação fica localizada na área central, próximo à rodoviária e o ginásio de esportes, acreditamos que vai ter uma visitação assídua da população”, comentou a secretária de Educação e Cultura, Delzuita Vieira de Souza.

O município colonizado por famílias alemãs, polonesas, ucranianas e lituânias tem a oportunidade de um espaço exclusivo para contar a história das famílias, igrejas, escolas e entre outros. “Queremos fazer uma parceria com os moradores, para contar a história de tudo que tivermos a oportunidade. Os visitantes poderão interagir com as obras informando os personagens ou pessoas conhecidas nas fotografias de época. Posteriormente a participação doando ou emprestando material de época, para que o memorial seja mais completo e útil na visitação e exposição de nossa história através desses objetos”, disse o curador.

As fotografias em exposição na estação lembram alguns fatos históricos na cidade como a chuva de granizo em 1959, a construção da Paróquia São Sebastião na década de 40, a campanha eleitoral a cavalo na década de 30 e muito mais. O espaço conta também com uma mostra de poesias dos escritores Theo Padilha e Flávio Cuervo que expõem a realidade da cidade, sendo algumas críticas e outras enaltecendo as belezas naturais como o Vale da Pirambeira.