Artista plástico platinense já expôs suas obras na Itália

Ele começou a gostar de artes ainda na Escola Agrícola, quando ensinavam a fazer entalhes na madeira.

Joel mostra vários relógios que faz por pura criatividade ou por encomenda (Antônio de Picolli / Tribuna do Vale)

Joel Nespolo, platinense de 61 anos, deixou de ser técnico agrícola ainda jovem, para ser artista plástico. De tanto criar obras com as mais diversas matérias-primas, duas delas foram parar na Itália em uma exposição no Castelo Eduardo Scoot, na cidade de Fonbio, próxima de Milão, em 2013. “Eu tinha intenção de morar na Itália, então fiz três viagens para lá. Em uma delas conheci a artesã Giovana Clea, que fez questão de incluir dois trabalhos meus – feitos em marchetaria – em duas exposições. Na primeira eu ainda estava naquele País, na segunda na exposição eu já havia voltado ao Brasil”, contou.

Joel explica que começou a gostar de artes ainda na Escola Agrícola, quando os professores ensinavam os alunos a fazer entalhes na madeira. “Eu não me considerava bom em entalhes, mesmo assim acabei ganhando uma medalha de prata em uma exposição”, contou.

Nespolo casou-se e teve quatro filhos. Saiu de Santo Antônio da Platina no ano 2000 e foi morar em Joinville (SC), onde passou a ser assistente de outro artista plástico. Gerson Araújo. “Com ele aprendi técnicas e também descobri o quanto é bom ter desafios. Não pinto telas. Trabalho com vidros, marchetaria (lâminas de madeiras), alumínio, madeira, enfim, sou daquelas pessoas que encontram um material diferente jogado fora e o levam para casa. Lá, no meu ateliê, ele vira arte”, avisou.

Apesar da arte estar impregnada em seu corpo, ele reconhece que é difícil viver dela. “ Faço relógios personalizados com madeira de demolição e vendo para particulares, lojas, e também por encomenda. Atualmente, vivo da confecção e venda dos relógios”, explicou.

A obra exposta na Itália foi avaliada em 1.800 euros. Os relógios variam de preço conforme o trabalho encomendado, mas estão na faixa dos R$ 150.

No Castelo Eduardo Scott, em Fonbio: arte em marchetaria e lâminas de alumínio (Joel Nespolo)

Viver da arte é uma alegria para Joel. “Fui alcóolatra dos 13 aos 38 anos. Hoje meu vício é criar e transformar minhas ideias em arte”, contou satisfeito. “Quando eu bebia, praticamente destruí minha vida e as pessoas que estavam ao meu redor. Hoje, continuo casado e meus quatro filhos e quatro netos moram em Joinville. Somos uma família unida”, complementou salientando que parou de beber depois que mudou de religião. “Hoje sou evangélico e parei de beber no dia em que conheci Jesus. Não sou fanático nem contra outras crenças, mas minha vida só mudou para melhor depois que conheci Jesus. Minha criatividade e inspiração vêm dele”, concluiu.

Quem tiver interesse nas artes de Joel, ou que queira encomendar alguma obra ou mesmo relógios, pode falar com ele pelo número 47-997447207 ou 47 3455 1469.