13ª Mostra EnCena começa neste sábado

Espetáculo “O Cabaré da Mafalda” será realizado na praça Rui Barbosa de jacarezinho

(Divulgação)

Começa neste sábado, 19, um dos eventos culturais mais esperados em Jacarezinho, a 13ª Mostra de Teatro EnCena. Neste ano, a programação inclui sete espetáculos de palco e de rua, com apresentações no Conjunto Amadores de Teatro (CAT), Cine Iguaçu e na praça Rui Barbosa. O evento que acontece entre os dias 19 e 25 é uma realização da prefeitura de Jacarezinho em parceria com a Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).

A distribuição e venda de ingressos serão no dia 17 às 9h no Conjunto Amadores de Teatro. Os espetáculos “Mudo Mundo” (dia 20) e “Reunião de Família” (dia 24) será cobrado R$ 10 por entrada inteira. No espetáculo “Tropeço” (dia 21) a entrada é apenas um quilo de alimento não perecível no espetáculo. As demais peças de palco serão gratuitas.

A companhia, que se apresentará no sábado, 19, às 21 horas na praça Rui Barbosa será Teatro de Bonecos Serafin, que trás o espetáculo infantil “Azulindo”. O projeto “Serafin Teatro de Bonecos” leva as crianças para uma viagem mágica, na qual os bonecos encenam peças com temáticas destinadas para as diferentes faixas etárias. Existe algo mais estimulante do que acordar a imaginação? São dois espetáculos: “Azulindo” e “Beli em busca do tesouro perdido na ilha tenebrosa”.

Às 19h30 o Cine Sesc promove na praça Rui Barbosa o curta metragem “Solon” que dialoga com as artes visuais, a performance e a ficção científica. Uma fábula sobre o surgimento do mundo, apresentado a partir do encontro de uma paisagem devastada e uma criatura misteriosa. Solon habita o espaço extremamente árido e infértil. Aos poucos, ela se destaca da paisagem, aprende a se movimentar e explorar seu corpo. Verte água por suas extremidades e inicia sua missão de regar e nutrir a terra. A paisagem se altera e a própria personagem também. Nasce o mundo. Nasce a mulher.No domingo, 20, a companhia Azul Celeste trás às 20h30 no Conjunto Amadores de Teatro (CAT) o espetáculo “Mundomudo” diretamente de São José do Rio Preto/SP. A peça investiga a relação cultural entre o velho e o novo por meio dos valores difundidos na sociedade contemporânea. Faz uma reflexão sobre tudo o que se aprende na vida como valor, crença, como cultura, seja numa dimensão maior ou menor, tornando-se as origens de referências que irão comandar a consciência humana e determinará o comportamento. Um mergulho que fala de homens pequenos aprisionados em um espaço enorme, religados repetidamente pelo jogo estabelecido na convivência e na necessidade um do outro. Se no início está o fim, se a duração arrasta instantes inúteis, se o final só remata pelo cair do pano (ou trapo), deixando sem desfecho a história, não importa, as regras impõem-se e os personagens, atônitos, submetem-se ao jogo como ao destino. MundoMudo significa o fim deste jogo, que se mantém como remedo do teatro passado e vislumbra, na devastação que lhe circunda, formas fantasmagóricas para um teatro futuro.

A companhia Tato Criação Cênica de Curitiba trás para o CAT às 20h30 o espetáculo “Tropeço”, que quer dar vida ao simples. Sobre uma mesa, com baús e alguns pequenos objetos, cria-se um mundo onde dois atores manipuladores e suas mãos dão vida a duas personagens: duas velhas que moram juntas. Partindo da costumeira visão que temos da velhice, mostra-se sua solidão e as pequenas ações rotineiras, porém cria-se um universo de sutileza e extravagância, poesia e comicidade em mãos que andam, dançam, bebem, respiram, riem e choram. Tropeço é parte de uma pesquisa em dramaturgia física, a fragmentação de parte do corpo que ganha personalidade através do movimento.

O espetáculo “Hamlet” acontece em duas datas no CAT, nos dias 22 e 23 (terça e quarta-feira) às 20h30. A companhia Processo de Revelação Coletivo Irmãos Guimarães trás diretamente de Brasilia/DF o Palco Giratório SESC, que propõe uma adaptação radical: um ator em cena, o próprio dramaturgo, Emanuel Aragão, que tenta reconstruir a narrativa de Shakespeare em um diálogo direto e aberto com a plateia. Utilizando dispositivos geradores de materialização de presença, em diálogo direto com a performance art, recurso muito presente na trajetória do Coletivo Irmãos Guimarães, o espetáculo busca a concretização cênica do percurso trágico da personagem de Shakespeare. Ou seja, uma junção, in loco da dimensão do performer à dimensão da personagem presente na fábula. A busca pela resposta a uma pergunta fundamental: é possível que, na cena, o ator/performer atravesse, de fato, a trajetória da personagem?

No dia 23, a Praça Rui Barbosa recebe às 14 horas “O Cabaré da Mafalda”, um espetáculo que tem por objetivo o resgate do Circo Família num ambiente que sugere um circo e ao mesmo tempo um lugar dançante, um cabaré cômico. O Espetáculo é feito em rua, praça, espaços alternativos, o que possibilita uma formação de público para a linguagem do circo. A estrutura do espetáculo lembra o interior de um circo, mas está aberto sem a lona, o que permite o trânsito do público nos mais diversos níveis da encenação. Na sequência do espetáculo, temos números clássicos , cenas cômicas , ventríloquo, na grande maioria o publico é convidado a participar, formando com isso uma interação que completa os espetáculos dessa linguagem. O Cabaré da Mafalda transita entre uma Varieté e um espetáculo que conta sobre um cabaré familiar. Esse hiato é muito peculiar e interessante, que acaba por provocar uma relação curiosa no público que o aproxima muito mais de cada figura que aparece.

O espetáculo Reunião de Família do Grupo Soarte, de Ourinhos/SP acontece às 20h30 no CAT. A peça conta a história de uma família se reúne durante um fim de semana para ajudar a resolver o problema de Evelyn. Ela perdeu um filho em um acidente, e não consegue lidar com esta perda. Durante esse encontro, as lembranças do passado vão surgindo, e revelando quem são essas pessoas. No desenvolvimento da peça, as máscaras sociais vão caindo, e descobrimos como essas relações familiares ajudaram a formar a personalidade de cada um.

No último dia, 25, a Comissão Organizadora apresenta um espetáculo de dança contemporânea “Memória de Brinquedo” de Curitiba Cia. De Dança às 20h30. A peça celebra histórias, lembranças e sensações tecidas e criadas ao longo da infância. Nos últimos anos tem-se escutado muito a respeito da importância dos primeiros anos na vida do ser humano. É nesse momento precioso que a criança terá suas primeiras experiências que conformam percepções e pensamentos do que é o mundo. À medida que o tempo passa, e a vida corre por baixo dos pés, desenvolvemos estratégias de como nos relacionar com esse mundo, de inventar um sentido para a vida e buscar uma existência significativa para nós mesmos. Aquelas primeiras experiências vividas são fundamentais, são os primeiros blocos de construção nos quais se assenta todo edifício. Memória de brinquedo nasce como um manifesto ao espírito livre que habita em cada um de nós. Que ele tenha mais espaço e que ele produza em favor de um mundo melhor, mais justo e belo.