Quarto filme de ‘Nárnia’ começa a ser gravado neste ano

Franquia baseada na obra de C.S. Lewis ganhará continuação

O romance infanto-juvenil As Crônicas de Nárnia, baseado na obra de Clive Staples Lewis. (veja.com/VEJA)

A Sony Pictures marcou para novembro as gravações do quarto filme da saga As Crônicas de Nárnia, A Cadeira de Prata. A franquia esteve no limbo durante sete anos, desde a estreia de A Viagem do Peregrino da Alvorada, em 2010, o primeiro longa produzido pela Sony. Até então, a adaptação dos livros de C.S. Lewis para o cinema era produzida pela Disney, em parceria com a Walden Midia.

O filme será rodado entre ilhas da Nova Zelândia e os estúdios Henderson Valley, em Auckland. A produtora prevê cerca de cinco meses de gravação, antes que o longa caminhe para as fases finais. Joe Johnston (Capitão América: o Primeiro Vingador) dirige o longa, que conta com nomes de peso como Robert Legato (Mogli: O Menino Lobo, Titanic e A Invenção de Hugo Cabret) na equipe de arte e efeitos visuais. Ainda não há informações sobre o elenco ou data de estreia.

As Crônicas de Nárnia acompanha histórias espaçadas no tempo de uma terra mágica, criada pelo leão Aslam — algo como a Criação do mundo por Deus na Bíblia. Os filmes derivados seguem a ordem de publicação dos livros de C.S. Lewis, que após lançar as quatro primeiras histórias (O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa; Príncipe Caspian; A Viagem do Peregrino da Alvorada e A Cadeira de Prata), percebeu lacunas, que tampou com outras histórias (O Sobrinho do Mago e O Cavalo e seu Menino), para então dar continuidade a trama proposta no início (A Última Batalha).

A Cadeira de Prata será o primeiro filme sem a participação dos irmãos Pevensie, já reduzidos aos dois mais novos no longa anterior. Na trama, Eustáquio, primo deles, volta a Nárnia na companhia de sua amiga Jill Pole, 70 anos depois no tempo da terra encantada. Lá, eles devem deter o plano maléfico da Feiticeira Verde.