Entre medidas de redução de gastos, PRF pode desativar unidades operacionais

Patrulhamento também será reduzido por falta de combustível para as viaturas

Foto: Antônio de Picolli / Tribuna do Vale

A administração da Polícia Rodoviária Federal de Brasília divulgou quarta-feira, 5, um pacote de medidas para contenção de despesas que afetam diretamente a população e passam a valer a partir de hoje, 6. Entre elas está suspenso temporariamente patrulhamento nas rodovias, só em casos emergenciais, redução do horário de atendimento ao público nos departamentos da instituição, cancelamento da fiscalização da “Operação Férias”, que seria iniciada na próxima semana e até desativação de algumas unidades operacionais. No Paraná, o helicóptero de apoio a socorro a vítimas de acidentes, só poderá ser usado em casos extremos, por falta de recursos para o combustível.

As medidas foram tomadas após o governo federal anunciar, no final do mês passado, um corte de 40% no orçamento anual da PRF.

Segundo o representante sindical do Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais do Estado do Paraná, com sede em Curitiba,Valdenei Bezerra, a área administrativa da PRF do Paraná está elaborando uma estratégia própria para o Estado. “Essas providências anunciadas hoje são para todo o Brasil, mas o Paraná terá suas próprias medidas. Uma delas já foi tomada, que é a restrição do uso da aeronave utilizada para apoio no caso de acidentes graves. “O helicóptero da PRF-PR é responsável pelo salvamento de cerca de3 mil vítimas graves de acidentes por ano. Agora ele está proibido de levantar voo por falta de dinheiro para o combustível”, lamentou.

Quanto a desativação de unidades de fiscalização nas rodovias, o sindicalista disse que ainda não há definição de quais serão afetadas. “Será feito um estudo de localização. As que estiverem em pontos onde há maior necessidade de fiscalização permanecerão. O problema é que com o orçamento reduzido, a PRF terá problemas até para abastecer as viaturas ou mesmo de fazer consertos naquelas que precisarem”, disse.

Outra área da PRF que será atingida diretamente por falta de recursos, é o serviço de inteligência. “A Inteligência usa tecnologia avançada e que gera custos altos. O impacto será grande em relação à investigações. Para se ter uma ideia, até o uso de radares nas rodovias para controlar o excesso de velocidade será reduzido”, avisou. Também serão suspensas as escoltas de cargas superdimensionadas.

Ainda hoje, 6, será decidida a redução do horário de funcionamento da parte administrativa da PRF. “Normalmente, os departamentos funcionam das 8h às 17 horas. A intenção é atender das 9h às 13 horas”, contou.

De acordo com Bezerra, a PRF está recorrendo a deputados e senadores para convencer o governo federal a voltar atrás do corte feito no orçamento. “Se essas medidas restritivas não forem tomadas agora, não teremos recursos para chegar ao final do ano com toda a estrutura funcionando. Esperamos que o governo reconheça que não é possível trabalhar com esse corte de recursos. Quem vai sair ganhando é a criminalidade”, lamentou.

Passaporte – Desde a semana passada, os trabalhos de emissão de passaporte feitos pela Polícia Federal estão suspensos também por falta de dinheiro. Ao menos nove alertas foram enviados pela polícia somente neste ano. Ao todo, o órgão teve R$ 145 milhões em 2017, já contando uma liberação extra de R$ 24 milhões em maio. Em 2016, foram R$ 212 milhões. A PF havia solicitado no meio do ano passado na discussão do Orçamento o montante de R$ 248 milhões.